Volte sempre

26 04 2009

imag00991
RUMO AO FUTURO

A Escola Municipal Virgílio de Melo Franco iniciou suas atividades em 28 de abril de 1949 e foi criada pelo Decreto Lei Municipal número 036 em 27 de novembro de 1949, funcionando, naquela época, em dependências alugadas com apenas 04 (quatro) salas de aulas e cantina. O nome dado à escola está relacionado ao descendente de família de prestígio no estado, filho de Afrânio de Melo Franco e de Sílvia Alvim de Melo Franco. Casado com Dulce de Melo Franco.
Virgílio de Melo Franco fora treinado a fim de continuar a defender os processos políticos que vinham garantindo a supremacia de Minas Gerais e de São Paulo sobre os estados brasileiros.
Antes de vinte e cinco anos havia sido eleito para a Câmara Estadual Mineira.
Na revolução de 1930, Virgílio foi tenente civil. Tinha pouco mais de 30 anos, quando viveu o grande momento de sua relevante e curta existência, desempenhando na articulação entre mineiros e gaúchos, um papel que o tempo só tem feito valorizar. A três de outubro, em Porto Alegre, época em que corria perigo o Palácio do Governo de Getúlio Vargas, ele aparece como voluntário. E, mesmo sem conhecer a cidade, saiu às ruas, debaixo de rajadas de metralhadoras e tiros de fuzil. Desempenhou sua tarefa com bravura e tenacidade.
Em 1945, conspirou para a deposição de Getúlio Vargas. Virgílio foi assassinado em sua própria residência, por um fuzil de caça retirado de seu compartimento de armas.
Dando continuidade à história da escola, em janeiro de 1971, foi transferida para a Rua Senador Lúcio Bittencourt número 289 – Vila São Paulo – Contagem, sua nova sede, contando com 13 salas de aulas. Seu funcionamento foi autorizado, para o ensino de 1ª à 4ª séries, pela portaria 044/78 da SEE de 08/02/78.
Para atender a demanda de crianças na faixa etária escolar, em 1974 foram construídas mais 5 (cinco) salas de aula.
Atendendo à lei 5692/71, que prevê ensino gratuito de 1ª à 8ª séries, a Escola Municipal Virgílio de Melo Franco foi uma das escolhidas para implantação de extensão de série pela Secretaria Municipal de Educação de Contagem. Isso se deu em 1978, iniciando com 5 (cinco) turmas de 5ª série, autorizadas pela Portaria 82/78 de SEE, em 15/03/78.
Pela Portaria 37/79 da SEE, de 02/02/79, foi autorizado o ensino de 6ª série nesta escola e, em 18/03/80, a Portaria número 126/80 autorizou o funcionamento da 7ª e 8ª séries.
Em novembro de 1980, mais 2 pavimentos foram construídos para atender à nova demanda, contando com sete salas de aula, biblioteca, sala da diretoria, secretaria, sala de professores, 2 banheiros e uma cantina, mecanografia, orientação, sala de artes, consultório odontológico.
imag0100
Atualmente, além das dependências acima, há mais 14 salas de aulas. A escola funciona nos três turnos, atendendo 1542 alunos assim distribuídos:
*1º turno: 2º e 3º ciclos com 630 alunos;
*2º turno: 1º e 2º ciclos com 570 alunos;
*3º turno: Alunos do EJA com 142 alunos, somando a este número mais 200 alunos do Ensino Médio atendidos pela FUNEC (Fundação de Ensino de Contagem) – Vila São Paulo, que coabita nesta escola no horário de 18h45min às 22h45min, atendendo aos alunos do 2º grau. O quadro de pessoal funciona hoje com 120 funcionários, distribuídos nos setores administrativo e pedagógico.
imag0084

A escola ocupa 2 quarteirões: em um está localizado a quadra de educação física e no outro o restante das repartições da escola. A construção do prédio é grande e antiga, mas é limpa e bem cuidada. No ano de 2007 sofreu algumas modificações como construção de uma rampa para facilitar o acesso dos deficientes, aumento do estacionamento, reformas dos banheiros, pinturas das salas de aula e aumento e pintura do muro externo da escola. Esta última foi realizada por grafiteiros da região com o intuito de valorizar este trabalho, fazendo com que a comunidade reconheça este espaço também como seu, ajudando a cuidar dele. Mas infelizmente ainda há pichações que causam uma grande poluição visual. Apesar de o estacionamento ter sido ampliado ainda assim constitui um problema a ser resolvido pela escola, pois o número de carros é maior do que ele comporta, obrigando alguns professores a pagar um estacionamento particular ou arriscar deixar o seu veículo na rua correndo o risco de ser roubado, o que já aconteceu.
MENSAGEM
“Nesta Brincadeira de dizer verdades, falei verdades brincando. Mas nunca desacreditei no riso da platéia que sorria”
Charles Chaplin
aqui
A escola possui uma grande quadra, espaço para o ensino e a prática de esportes. Esta quadra fica localizada fora da escola, fato que torna o seu acesso perigoso, pois as crianças têm que atravessar a rua para chegar até ela. É um espaço que precisa de uma reforma, pois os muros estão pichados, os vestuários e bebedouros danificados e sujos. Metade desta área é coberta e possui bancos de cimento. Além das práticas esportivas, de acordo com os projetos desenvolvidos, também acontecem oficinas ( xadrez, pintura de rosto, pula-pula, competições e outras). Na foto 2 está localizada a quadra para o ensino e a prática de esportes.
A instituição possui 2 pequenos pátios cimentados e com poucas plantas onde as crianças brincam na hora do recreio. Em um deles há mesas onde em alguns horários a professora leva os alunos para realizar o projeto de intervenção. Este projeto foi criado com o objetivo de atender a alunos que apresentam dificuldades de aprendizagem. Em alguns dias da semana são retirados da sala de aula em um horário determinado para desenvolver habilidades. No chão há algumas brincadeiras pintadas ( jogo da velha, amarelinha e caracol). Muita coisa tem se pensado para modificar esse momento que, à tarde, acontece às 15h10min. Quando toca o sinal todas as turmas, aproximadamente 21, se dirigem para o pátio. Lá, correm, pulam, lancham, jogam futebol… Algumas idéias surgiram para tentar amenizar a correria e o perigo iminente de alguma criança se ferir, mas até o momento esse impasse não foi resolvido. Surgiu a idéia de professores ou alunos maiores do turno da manhã monitorarem o recreio, mas esta proposta ainda está sendo estudada pelo grupo. Este mesmo pátio também é usado quando há alguma festividade na escola: baile carnavalesco; comemoração da Páscoa, onde todos trazem de casa algum lanche e é feita uma grande ceia com todos da escola; Festa Junina; Semana do Folclore onde as crianças apresentam trabalhos desenvolvidos para as outras turmas, entre outras atividades
RUMO AO FUTURO
Na Escola temos um pátio especial. Toda segunda-feira neste local fazemos nossa acolhida e cantamos o Hino Nacional. Aqui também realizamos apresentações de dança, música, teatro, poesias e muitas outras.
TEATRO "O PEIXINHO E O SONHO"
RUMO AO FUTURO
“No que se refere aos recursos pedagógicos a escola tem hoje equipamentos modernos como TVs 29”, equipamentos de som, DVDs, episcópio, retro projetor, data show e outros recursos tecnológicos. A escola também dispõe de uma sala de vídeo com cadeiras confortáveis onde não só os alunos utilizam, mas também nós professores para reuniões, quando necessário.
Todo início de ano os alunos recebem da prefeitura um kit escolar com cadernos, borracha, lápis, apontador, lápis de cor, régua entre outros. As crianças também recebem livros didáticos para usarem ao longo do ano. Além disso, semanalmente podem realizar empréstimos na biblioteca de livros literários para levarem para casa. De acordo com o projeto da escola e do realizado pelo professor a escola oferece DVDs, fitas cassetes e CDs.
A escola já está conectada à internet, na sala de intervenção tem 5 computadores com o objetivo de enriquecer os projetos. Os professores utilizam o computador instalado na sala da supervisão. Além desses há 1 na secretaria, 1 na biblioteca e na direção.
RUMO AO FUTURO

Na escola há uma biblioteca que funciona todos os dias como centro de pesquisas e leituras para alunos, professores e funcionários, como também para a comunidade.
Ela foi fundada em 1971, recebendo o nome de Célia Gonçalves Henriques.
Dona Célia foi uma das primeiras professoras do Virgílio e muito colaborou para o progresso da escola.
A primeira bibliotecária foi Dona Inilda Lessa de Souza.
A biblioteca funciona atualmente, nos três turnos com mais de 2000 livros, tendo também mapas, globos, discos, projetor de slides, revistas, jornais. Possui um acervo organizado, ambiente agradável com mesas redondas e cadeiras macias. Há responsáveis pelo acervo que orienta e que apóia os usuários no acesso aos livros de que necessitem. Toda semana as crianças levam um livro para ler em casa.
RUMO AO FUTURO

As vias de acesso de pessoas com deficiência foram construídas em 2007 e estão em boas condições de uso.
Há extintores de incêndio e lixeiras espalhadas por toda a escola.
A escola é um espaço que possibilita interações, vivência e convivência com inúmeras diferenças. Por ser uma instituição grande, são muitos funcionários e junto com essa diversidade, também são os desejos, os pensamentos, as dúvidas e os problemas. Como em qualquer outro ambiente, as pessoas se aproximam por necessidade e afinidades o que não é diferente aqui. Percebo que quando algum funcionário chega à escola demonstrando algum problema geralmente se abre com seu grupo de afinidades.
A comunidade escolar gosta do trabalho que é desenvolvido e estão presentes nas festas promovidas pela escola demonstrando envolvimento. Há respeito entre as pessoas e diante de algum conflito procura resolver os impasses, ouvindo todas as partes e tentando chegar a um acordo. Quando as crianças têm atitudes preconceituosas ou discriminatórias, isso é conversado na sala de aula para que não aconteça mais.
RUMO AO FUTURO
A escola possui projetos que trabalham com temas como discriminação, diferenças culturais, meio ambiente e ética e cidadania. Este ano a novidade é a integração de todas as salas no projeto, explorando o respeito, a diferença, normas, regras, direitos e deveres e muitos outros aspectos. Também existem projetos que propiciam o estudo do bairro e da cidade, passeios pela cidade e participação em eventos culturais como teatro, caminhada ecológica, visita à assembléia entre outros.
A escola promove reuniões periódicas entre os professores, supervisores pedagógicos e diretores para avaliar o processo de aprendizagem dos alunos, seus avanços e dificuldades. As decisões sobre a reprovação ou reagrupamento de alunos são discutidas por todos os professores e supervisores pedagógicos. Não há procedimento formalizado para avaliar o resultado do trabalho dos profissionais da instituição. A direção da escola procura informar toda a comunidade escolar sobre os principais acontecimentos escolares como prestações de contas, agenda escolar, reuniões do colegiado etc. O conselho escolar é formado por representantes de toda a comunidade escolar e sua composição é paritária. O conselho escolar tem um estatuto com normas conhecidas e definidas e que está sendo reformulado. Além do conselho escolar existe o colegiado e o conselho fiscal que sugerem e participam nas decisões do que deve ser comprado com os recursos da própria escola.
A escola tem parcerias com as empresas Vilma, Mannesman, Belgo Mineira.
A comunidade escolar é informada sobre as estatísticas educacionais produzidas pelo Ministério da Educação e pelas Secretarias de Educação sobre o desempenho da escola e da rede escolar. O significado desses indicadores é discutido na escola.
Todos os profissionais da escola têm habilitação necessária para o exercício de sua função. A Secretaria de Educação oferece cursos de formação para professores. Porém não há vagas suficientes para todos, assim essas vagas são escolhidas por sorteio deixando de lado muitos funcionários. Quanto às reuniões pedagógicas, elas aconteciam quinzenalmente e de fato ajudavam a melhorar a prática pedagógica. Nela, todo o coletivo de professores, diretores e pedagogos discutiam o problema para que todos pudessem participar. As professoras podiam encontrar com seus pares para discutir o trabalho em sala de aula e procurar resolver os problemas. Mas a partir deste ano essas reuniões não mais irão acontecer por ordem da prefeitura.
A equipe de professores em sua maioria é de profissionais efetivos fato que torna a rotatividade dos professores pequena o que, além de agradar aos pais torna o trabalho pedagógico mais fácil. Muito tem sido feito para melhorar o trabalho. Um caminho muito longo tem que ser percorrido no que diz respeito à valorização do profissional. Não digo pela escola, mas por toda a rede. È necessário melhoria nas condições de trabalho, melhores salários e um plano de carreira, pois até hoje os professores da rede não possuem um.
RUMO AO FUTURO





CAPAS DE CADERNO

25 04 2009




Obrigada pela visita

25 04 2009





Hora do Lanche

25 04 2009

Hora do Lanche

Hora do Lanche

está a lanchonete da escola e um das salas de intervenção pedagógica. Neste local há cinco computadores para uso dos alunos atendidos pela intervenção que funciona extra turno: os alunos que estudam de manhã participam à tarde e vice- versa.





Recursos Pedagógicos

25 04 2009

“No que se refere aos recursos pedagógicos a escola tem hoje equipamentos modernos como TVs 29”, equipamentos de som, DVDs, episcópio, retro projetor, data show e outros recursos tecnológicos. A escola também dispõe de uma sala de vídeo com cadeiras confortáveis onde não só os alunos utilizam, mas também nós professores para reuniões, quando necessário.
Todo início de ano os alunos recebem da prefeitura um kit escolar com cadernos, borracha, lápis, apontador, lápis de cor, régua entre outros. As crianças também recebem livros didáticos para usarem ao longo do ano. Além disso, semanalmente podem realizar empréstimos na biblioteca de livros literários para levarem para casa. De acordo com o projeto da escola e do realizado pelo professor a escola oferece DVDs, fitas cassetes e CDs.
A escola já está conectada à internet, na sala de intervenção tem 5 computadores com o objetivo de enriquecer os projetos. Os professores utilizam o computador instalado na sala da supervisão. Além desses há 1 na secretaria, 1 na biblioteca e na direção.
A Direção muito voltada para as novas tecnologias, e sempre atenta para não haver retrocesso nas conquistas, encontram-se alertos ás novidades e buscando sempre ampliar os recursos.





Biblioteca

25 04 2009

Na escola há uma biblioteca que funciona todos os dias como centro de pesquisas e leituras para alunos, professores e funcionários, como também para a comunidade.
Ela foi fundada em 1971, recebendo o nome de Célia Gonçalves Henriques.
Dona Célia foi uma das primeiras professoras do Virgílio e muito colaborou para o progresso da escola.
A primeira bibliotecária foi Dona Inilda Lessa de Souza.
A biblioteca funciona atualmente, nos três turnos com mais de 2000 livros, tendo também mapas, globos, discos, projetor de slides, revistas, jornais. Possui um acervo organizado, ambiente agradável com mesas redondas e cadeiras macias. Há responsáveis pelo acervo que orienta e que apóia os usuários no acesso aos livros de que necessitem. Toda semana as crianças levam um livro para ler em casa.





Projeto “Horta na Escola”

25 04 2009

Toda a área da escola é cimentada, porém em alguns lugares há algumas árvores e flores que são cuidadas pelas serventes da escola. Não vejo um enfoque dado ao cuidado dessas plantas por nossos alunos. Mas tem tido avanços a respeito deste aspecto, pois em 2008 surgiu um projeto de uma professora que junto com seus alunos construíram e cuidaram de uma horta num pequeno espaço da escola.
FICA O CONVITE PARA QUEM QUEIRA RECOMEÇAR…








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.